Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Cidade

Chuva causa estragos e prejuízos em Santana do Acaraú

A chuva derrubou paredes, inundou casas, alagou ruas e deixou os moradores em estado de alerta, uma comunidade rural permanece sem energia elétrica

Publicada em 06/12/18 às 11:49h - 1014 visualizações

por Tribuna dos Vales


Compartilhe
   

Link da Notícia:

As paredes de uma garagem em construção desabaram, o proprietário fará nova obra no local  (Foto: Tribuna dos Vales)
Untitled Document

Uma chuva de 45 minutos e 68,8 mm com fortes rajadas de ventos, relâmpagos e trovões, deixou os moradores de Santana do Acaraú em estado de alerta na tarde desta quarta-feira (5), houve destruição de obras, alagamentos de vias públicas, inundação e destelhamento de residências. Os prejuízos ainda não foram calculados.

Somente em uma rua no bairro Pedregal, pelo menos dez casas foram inundadas, a agricultora Ana Lourdes Braz conta o sofrimento que passou para tentar salvar seus moveis e eletrodomésticos, “a água entrou dentro de casa de repente, tive que colocar todos os objetos e móveis em cima da cama, estou com muita dor na coluna de tanto peso que levantei sozinha”, disse a agricultora, que pede providências junto ao poder público para resolver os problemas de escoamento das águas, alguns moradores já construíram pequenas muretas na porta de casa para evitar novas inundações.

A agricultora Ana Lourdes Braz teve sua casa invadida pelas águas - Foto: Tribuna dos Vales

No bairro Padre Ibiapina o estrago foi ainda maior, uma obra que estava em construção foi destruída, as duas paredes laterais foram ao chão, segundo um dos pedreiros que estava na obra, escaparam da morte, pois decidiram abandonar o local antes do desabamento, “logo que o vento começou decidimos sair de dentro da obra, só deu tempo chegar do outro lado da calçada, houve um forte redemoinho, derrubou duas carnaubeiras e logo em seguida as duas paredes caíram, dei graças a Deus ter escapado”, relata o pedreiro.

As paredes de uma garagem desabaram durante a chuva - Foto: Tribuna dos Vales

No bairro Gerardo Arcanjo a dona de casa Lucia Coelho teve parte do telhado da cozinha destruído, além da queda de uma parede que o marido havia levantado no mesmo dia, “ouvimos um barulho da queda da parede e em seguida, caiu a antena parabólica e parte do meu telhado desabou, minha casa encheu de água e por pouco meu genro não foi atingido pelos destroços”, disse a dona de casa.

Parte do telhado da casa desabou por conta da chuva - Foto: Divulgação

Queda de Energia – Algumas comunidades rurais ficaram sem energia, entre elas a comunidade de Malhada dos Bois, distante 7 quilômetros da cidade, “estamos sem energia desde as 14 de ontem, já ligamos diversas vezes para a ENEL e nenhuma providencia foi tomada, estamos indignados com essa situação”, disse Ricardo Pereira morador da localidade.

Defesa Civil – O secretário Municipal de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente, Francisco Arlene farias, disse que a defesa civil do município está fazendo um levantamento de todos os locais afetados pela chuva e que a prefeitura vai providenciar medidaspara evitar novos problemas, “estamos diante de um caso inédito em nossa cidade, em virtude da magnitude da chuva, que veio carregada com fortes rajadas de vento, estamos fazendo um levantamento de todos os estragos causados e a partir disso fazer nosso planejamento para o período invernoso que se aproxima”, disse.

Veja a reportagem da TV Verdes Mares sobre o mesmo tema nesse link: http://g1.globo.com/ceara/cetv-1dicao/videos/t/edicoes/v/chuvas-com-ventos-fortes-em-santana-do-acarau/7214300/

Chuvas no estado – Conforme a Funceme, choveu em pelo menos 94 dos 184 municípios cearenses. Também choveu com intensidade em Tauá (125,0 mm), Quiterianópolis (100,0 mm), Campos Sales (92,5 mm), Arneiroz (74,5 mm), Catarina (73,0 mm), Novo Oriente (70,0 mm), Santana do Acaraú (68,8 mm), Crato (62,0 mm), Crateús (58,0 mm), Altaneira (46,0 mm) e Barro (45,8 mm).

Na Região Central e Inhamuns houve chuva em todos os 23 municípios, sendo a maior em Arneiroz. Na Região da Ibiapaba aconteceram precipitações em todas as 14 cidades. O maior registro foi em Ipaporanga, com 30,0 mm. Essas regiões foram as que mais registraram índices de precipitações.

10 maiores chuvas por posto no dia:

(164 postos com chuva de 182 informados)

1. Farias Brito (Posto: Farias Brito) : 178.0 mm

2. Tauá (Posto: Vera Cruz) : 125.0 mm

3. Quiterianópolis (Posto: Cruz) : 100.0 mm

4. Campos Sales (Posto: Carmelopoles) : 92.5 mm

5. Novo Oriente (Posto: Novo Oriente) : 75.0 mm

6. Arneiroz (Posto: Arneiroz) : 74.5 mm

7. Catarina (Posto: Figueiredo) : 73.0 mm

8. Independência (Posto: Desejo) : 70.0 mm

9. Novo Oriente (Posto: Emaus) : 70.0 mm

10. Santana Do Acaraú (Posto: Santana do Acarau) : 68.8 mm

Pré-Estação Chuvosa

Tais registros acontecem por influência de áreas de instabilidade sobre o Piauí e associadas à presença de uma Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que é uma banda de nebulosidade e precipitação com orientação noroeste-sudeste, indo desde o sul e leste da Amazônia até o sudoeste do Oceano Atlântico Sul.

Além da continuidade da ZCAS, a Funceme identifica, por meio da análise de imagem de satélite e previsão de modelos numéricos, a presença de um Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN) sobre o oceano Atlântico e próximo à costa leste do Nordeste.

Assim com o Cavado de Altos Níveis (CAN) observado no último fim de semana, áreas de nebulosidade e, consequentemente, chuvas são proporcionadas na área da borda deste sistema. Ambos os sistemas são típicos da Pré-Estação, que vai até o fim de janeiro no Ceará.

El Niño deve trazer irregularidade de chuva no Ceará

Com 99% de chances de ocorrer no primeiro mês do ano de 2019, o "El Niño" deve ocasionar um período de irregularidades na quadra chuvosa no Ceará, segundo o coordenador-Geral de Meteorologia do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Expedito Rebello. "Tem que aproveitar para armazenar água nos meses chuvosos", destaca.

O coordenador explica que as águas do Oceano Pacífico Equatorial já estão aquecidas e assim devem permanecer em janeiro, mas o período não necessariamente deve ser de "seca" no Nordeste. A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) explicou em setembro último, que das últimas 15 ocasiões de El Niño, 11 geraram impactos de seca.

Os efeitos devem ser "chuvosos" no Sul do país, e "chuvoso" do Sul da Bahia, Sudeste e parte do Centro-Oeste, segundo a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), na sigla internacional). O estado atual é de "Alerta", para o Serviço Nacional da Austrália. O próximo status é de confirmação do fenômeno, seguindo a escala desenvolvida pelo Serviço.




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.







Nosso Whatsapp

 (88) 99609-5928

Visitas: 507631
Usuários Online: 121
Copyright (c) 2018 - Tribuna dos Vales